Técnica com ultrassom poderá deixar grãos mais nutritivos

Técnica com ultrassom poderá deixar grãos mais nutritivos

O uso da tecnologia de ultrassom de alta potência para hidratação de feijão e milho, desenvolvido na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, tem possibilitado uma redução de tempo no processo industrial, sendo que este leva em média o consumo de 8 a 14 horas para sua completa realização. Utilizando ultrassom, o tempo passou a ser entre 5 e 6 horas, explica Alberto Claudio Miano Pastor, autor da pesquisa que teve orientação do professor Pedro Esteves Duarte Augusto, do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da Esalq.

Além disso, a tecnologia permitirá a adição de mais nutrientes vitamínicos aos grãos de maneira mais rápida e barata. Consoante Pastor, “a aceleração desse processo, no caso do feijão, por exemplo, ocorre na indústria a partir do aumento da temperatura, o que pode prejudicar o produto e consumir grande quantidade de energia. Aqui, nós aceleramos o processo sem aumentar a temperatura e ainda incluímos ferro, um componente que combate a anemia, um problema grave em países em desenvolvimento”.

Atualmente, Pastor é pesquisador na Universidad Nacional De Trujillo, Peru, contudo, almeja dar continuidade aos seus estudos em parceria com a USP. Ele ainda afirma, “pretendemos incorporar outros nutrientes aos grãos, como vitaminas e carotenoides, com o objetivo de se obter um grão de maior valor nutricional”.

Fonte: Jornal da USP

Henrique Moura

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.