Restrição hídrica pode afetar algodão, milho safrinha e trigo sequeiro no centro-oeste

 De acordo com o último relatório do monitoramento semanal das condições das lavouras (Conab), as áreas com restrição hídrica seguem aumentando na parcela central do país. O cenário só não está mais  acentuado, devido às chuvas ocorridas na última semana.

No centro-oeste, as restrições devido ao baixo índice pluviométrico poderão prejudicar os cultivos de algodão, milho 2ª safra e trigo sequeiro em estágios reprodutivos. Contudo, a falta de chuvas e a elevação da temperatura máxima proporcionarão melhores condições para a secagem dos grãos de forma natural, e, consequentemente, para as operações de colheita. No MS, houve ocorrência de geadas em regiões de baixadas em alguns municípios. Os danos ainda serão contabilizados.

Fonte: Conab

Segundo a Conab:

Milho 2ª Safra – 0,2% colhido. No MT, a colheita se inicia e as lavouras apresentam bom desenvolvimento. Em MS, houve ocorrência de geadas em regiões de baixadas em alguns municípios. Os danos ainda serão contabilizados. No Centro- Sul, as chuvas retornaram e beneficiaram o desenvolvimento das lavouras. Em GO, os baixos volumes de chuvas foram insuficientes para recuperar a disponibilidade de água para as lavouras. Em MG, as lavouras do Noroeste do estado têm sido afetadas pelo clima seco. 

Algodão – 0,4% colhido. Em MT, chuvas pontuais e de baixa intensidade não foram suficientes para recompor a umidade do solo. Geadas pontuais atingiram algumas lavouras na região Sudeste do estado. Mesmo com condições climáticas pouco favoráveis, o desenvolvimento da cultura é considerado bom. No MS, a colheita está finalizando nas regiões Leste e Sudoeste, porém a maioria das lavouras encontram-se em formação de maçãs. Em áreas mais adiantadas, a baixa temperatura influenciou na abertura dos capulhos. As geadas atingiram lavouras mais novas. 

Fonte: AGROLINK 

 

 

 

Maria Giulia Hayashi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.