Principais espécies nativas que possuem crescimento rápido e são indicadas para reflorestamento

Principais espécies nativas que possuem crescimento rápido e são indicadas  para reflorestamento

Espécies de árvores de rápido crescimento são aquelas que possuem uma adaptação mais espontânea em diversos tipos de solo e clima, fazendo com que se desenvolvam em um ritmo mais acelerado. Estas são as preferidas e comumente mais utilizadas para recuperação de áreas degradadas.

O reflorestamento é uma ação ambiental que visa restaurar áreas que tiveram a vegetação original removida por ações naturais ou atividades humanas, como por exemplo, queimadas, exploração de madeira, desmatamento, etc. Existem dois objetivos de se realizar um reflorestamento, um para fins comerciais (florestas plantadas) e o outro para fins ecológicos (mata nativa).

Para que aconteça essa restauração do ecossistema original, ou seja, da mata nativa, costuma-se utilizar mudas de crescimento rápido e de fácil adaptação. Conheça as espécies mais comuns para reflorestamento ou uso urbano:

Aroeira pimenteira – possui uma altura média de 5 a 10 metros, e portanto considerada de pequeno porte. Espécie é muito ornamental e indicada para arborização de ruas estreitas e sob fios elétricos. Se desenvolve muito rapidamente no campo e floresce durante os meses de setembro a janeiro. Sua casca é usada para curtimento de couro e fortalecimento de redes de pesca, além disso seus frutos podem ser utilizados na culinária como condimento.

Paineira – também conhecida como paineira-rosa, esta árvore possui entre 15 a 30 metros de altura. É ótima para plantios mistos em áreas degradadas de preservação permanente, principalmente por se desenvolver muito rápido no campo. Quando em floração, a paineira fornece ótima sombra, e possui lindas flores, por isso é muito utilizada em paisagismo de jardins e praças. Floresce a partir de meados de dezembro, prolongando-se até abril.

Farinha seca – espécie pioneira, de rápido crescimento, é excelente para reflorestamentos de áreas degradadas. Sua árvore é bastante elegante, podendo ser utilizada na arborização de praças públicas e jardins. Floresce entre o final de outubro até o início de janeiro, os frutos amadurecem nos meses de setembro a outubro.

Açoita cavalo – Altura média da árvore de 3 a 17 metros, possui copa piramidal densa e pode ser incluída na arborização urbana. É uma espécie pioneira indicada para terrenos secos e pobres, muito utilizada em reflorestamentos destinados à recomposição de áreas degradadas. O crescimento é rápido e ela floresce durante os meses de maio a julho. Já a maturação dos frutos acontece em agosto a outubro.

Mutambo – Também é conhecida por embira, possui altura de 8 a 16 metros. No campo, se desenvolve muito rápido, podendo atingir 4 metros aos 2 anos. É uma espécie pioneira, apresenta bela copa que proporciona ótima sombra, sendo muito utilizada no paisagismo em geral. É uma árvore indispensável para os reflorestamentos por conta o crescimento acelerado e por possuir frutos comestíveis muito apreciados por macacos e outros animais. Floresce de setembro até o início de novembro. Os frutos amadurecem em agosto ou setembro.

Angico Branco – Espécie também pioneira, tem altura média de 12 a 15 metros. O desenvolvimento desta árvore no campo é bastante rápido, pode alcançar facilmente 4 a 5 metros em 2 anos. Sua madeira é ótima para lenha e carvão, podendo ser útil para construção civil, tabuado e etc. O angico floresce exuberantemente, possuindo grande beleza, e por isso sendo usado para arborização, e pelo rápido crescimento, é muito utilizada para recuperação de áreas degradadas.

Por: Daiane Rezende da Fonseca

Acadêmica do 7° período de Engenharia Florestal UFMS – Chapadão do Sul

Fonte: Instituto Brasileiro de Florestas

Daiane Fonseca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.