Pesquisadores tentam impedir que raças antigas de boi sejam extintas

Pesquisadores tentam impedir que raças antigas de boi sejam extintas

Criadores e pesquisadores estão buscando preservar raças antigas de boi que correm risco de desaparecer, caso do gado curraleiro pé-duro e do pantaneiro.

As duas raças chegaram ao Centro-Oeste com as comitivas de bandeirantes durante o ciclo de ouro no Brasil, que ocorreu entre os séculos 17 e 18. Os touros, que chegaram da Península Ibérica com portugueses e espanhóis, têm características evolutivas específicas do Cerrado e do Pantanal.

Este é um dos motivos que tem feito pesquisadores do Pantanal de Mato Grosso do Sul e do Cerrado de Goiás se unirem para entender estas raças melhor. Nas últimas décadas, elas foram substituídas por outras de interesse comercial maior, como a nelore.

Há 10 anos, o número de pantaneiros chegou a menos de mil cabeças e o de curraleiros a pouco mais de 5 mil. O empenho dos pesquisadores também tem efeito de aumentar estes rebanhos.

Para acompanhar os animais de perto, 14 vacas foram transferidas de uma fazenda da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no Pantanal para uma fazenda laboratório da Universidade Federal de Goiás (UFG). Mais um esforço para evitar a extinção dessas raças.

https://globoplay.globo.com/v/10533216/ – Link de Vídeo

Fonte: https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2022/05/01/pesquisadores-tentam-impedir-que-racas-antigas-de-boi-se-tornem-extintas.ghtml

 

Mauro Seyji Zanelli Konai

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *