Dia das crianças: DOE UM SORRISO.

Dia das crianças: DOE UM SORRISO.

No dia 3 de outubro de 2019, no campus CPCS-UFMS, ocorreu a segunda edição do projeto de extensão DOE UM SORRISO. Projeto este planejado e organizado pelo Grupo PET Agronomia e Engenharia Florestal sob tutoria do Prof. Dr. Cassiano Garcia Roque e coordenação da Acadêmica Petiana Loayne Carvalho de Souza com participação do grupo PET e da Técnica de Laboratório Priscilla Liber.

Neste ano recebemos a visita de 56 alunos com idade entre 10 e 15 anos, do Centro Sócio Educativo Nossa Senhora das Graças. O centro sócio educativo atende cerca de 330 crianças por dia com idade variando entre 4 a 15 anos, serve como opção para pais que trabalham o dia todo e não tem condições de pagar uma babá para cuidar de suas crianças, sendo dirigido pela Irmã Maria Penha Coisse. O projeto DOE UM SORRISO visa levar informações educativas e lazer para crianças atendidas por um projeto social de Chapadão do Sul. Além de aproximar a UFMS da sociedade, leva informações e diversão de forma a abranger o cotidiano da UFMS no Campus de Chapadão do Sul buscando despertar o interesse das crianças para a vida escolar e cientifica.

Este ano contamos com a ajuda dos nossos técnicos de laboratórios e as atividades programadas que incluíram experiências cientificas, como a pasta de dente elefante, água furiosa, extração de DNA de frutas, observação de laminas, exposição de caixas entomológicas e um passeio pelo campus. Além dessas atividades tivemos uma apresentação do MOVIMENTO CULTURAL CANTO E POESIA, sob coordenação da técnica Priscilla Liber e acolhida pela assistente Social do Campus Agna dos Santos Anicésio, além da psicóloga Bruna Diniz onde fizeram uma apresentação musical Faça Valer do RUB.

Ao final dessas apresentações, durante uma conversa com essas crianças, notamos a satisfação delas com o passeio, onde a experiência que eles mais gostaram foi a pasta de dente elefante. Algumas crianças expressaram o desejo de ingressar em uma universidade como a nossa sendo isso de grande relevância pois são crianças de uma classe social menos favorecida, onde sua perspectiva de futuro, na maioria das vezes é bem limitada e não inclui essa possibilidade.

Apesar da existência de universidades publicas no Brasil, grande maioria dos jovens desiste dos estudos para trabalhar por não ter condições de se manter e nem pagar por um curso superior. Ao trazer crianças à universidade publica e mostrar a realidade do nosso cotidiano, estamos construindo a ideia de que é possível chegar ao curso superior e garantir um futuro melhor do que eles mesmos imaginavam, fazendo assim com que se dediquem mais e tenham esse objetivo mais concreto em suas vidas.

Apoio:

Eduarda Santana Soares

Bolsista PET AgroFlorestal CPCS e Discente de Agronomia pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.