CAMINHOS DO ENGENHEIRO FLORESTAL- CIÊNCIAS FLORESTAIS

E hoje, iremos falar um pouquinho sobre ciências florestais.

Sendo o Brasil é um dos maiores produtores e o maior consumidor mundial de produtos de origem florestal e setores importantes e estratégicos da economia brasileira, como a siderurgia, a indústria de papéis e embalagens, e a construção civil, são altamente dependentes do setor florestal. Além de possuir a maior concentração de florestas tropicais conservadas e preservadas do mundo. Entretanto, o país ainda apresenta deficiências em relação à descentralização e disponibilidade de informações técnico-científicas para o Setor Florestal, tanto para produção quanto para conservação, e por isso apresenta carências que demandam de subsídios e tomadas de decisões tanto em relação a políticas públicas como em projetos da sociedade civil e iniciativa privada.

Conversando um pouco com a professora doutora Glauce Taís de Oliveira Sousa Azevedo, formada em engenharia Florestal pela UESB e doutora em Ciências Florestais pela UnB, para atuar em na área de ciências florestais não é necessária uma especialização, porém, uma titulação é considerada um diferencial no mercado de trabalho e para a docência é fundamental.



Ela cita que as atividades desenvolvidas por pessoas que optarem por essa área de estudo seria:

“- Conhecer os métodos e técnicas adequados para de coleta de sementes 

– Realizar o controle de qualidade de sementes florestais

– Conhecer os métodos e técnicas que garantam maior qualidade às mudas florestais produzidas

– Avaliar a qualidade de mudas florestais

– Orientar a equipe em todas as etapas da produção de mudas com qualidade

– Aplicar os melhores sistemas silviculturais para cada situação

– Preparo da área de plantio e plantio das espécies florestais

– Coleta de dados para acompanhar o crescimento da floresta

– Decidir qual momento de realizar intervenções silviculturais

– Orientar o melhor momento dos desbastes ou colheita”

Isso se tratando de um foco em silvicultura, porém é sabido que a área de ciências florestais vai um pouco além, aborda temas como Geotecnologia, Ecologia Florestal, Manejo de Recursos Naturais e Produtos Florestais.

 É uma área bem ampla, com um grande interesse do mercado atual, pois profissionais formados em ciências florestais são bem flexíveis e podem atuar em diversas áreas. Porém é necessário que “o profissional dessa área goste de ir a campo e deve saber o necessário das análises de laboratório para obter dados importantes. Como a atividade de silvicultura envolve muitos trabalhadores, o profissional deve saber se relacionar bem com a equipe de trabalho, possuir espírito de liderança e olhar analítico para a tomada de decisões”, segundo a professora Glauce.

Ela ainda deixa um conselho para quem se interessou: “Quem deseja seguir esse caminho deve se preparar na graduação em Engenharia Florestal, auxiliando colegas e professores em trabalhos de pesquisa e extensão voltados para essa área, adquirindo assim experiência prática e desenvolvimento como profissional. Deve buscar também ter um olhar amplo e multidisciplinar nos mecanismos que envolvem o crescimento e qualidade dos povoamentos florestais. Além disso, seja curioso e procure buscar conhecimentos que o tornem diferenciados no mercado de trabalho. ”

Legenda : Glauce Taís de Oliveira Sousa Azevedo é Engenheira Florestal pela UESB, doutora em Ciências Florestais, com ênfase na Silvicultura, pela UnB, atualmente docente do curso de Engenharia Florestal, na UFMS-CPCS. Atua na linha de pesquisa de Formação e condução de povoamentos florestais, com espécies nativas ou exóticas, mais especificamente na produção de sementes e de mudas com qualidade, acompanhamento do crescimento e aplicação de tratos silviculturais adequados a cada situação de manejo. (http://lattes.cnpq.br/6723140078629652)

Finalizamos aqui a primeira parte do CAMINHOS DO ENGENHEIRO FLORESTAL para dar início ao CAMINHOS DA ADMINISTRAÇÃO.

Quero agradecer o esforço de cada um da equipe que ajudou com a realização das postagens e entrevistas também aos professores e profissionais que aceitaram participar dessa primeira seção de postagens.

Obrigada!!!!

Gabriel Devolio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *